16/06/2024
Revistas e Livros
InícioCafé e TeologiaA era da informação ou da confusão?

A era da informação ou da confusão?

O maior obstáculo para essa geração, é ultrapassar as distrações das opiniões.

Informação ou conhecimento? Doxa ou episteme? Será que há uma diferença entre conhecimento e informação? Se existe uma diferença, qual seria o seu efeito prático?

Segundo Platão, a episteme (conhecimento) tem um estatuto privilegiado em relação à doxa (opinião ou informação). A doxa seria a crença que se move acompanhando as coisas que se modificam constantemente e que acabam não formando um conceito que sobreviva às mudanças. Já a episteme, seria um entendimento que se coloca acima de qualquer opinião circunstancial, momentânea e descartável.

Com o advento da internet, nunca existiu na história da humanidade, como nos dias atuais, um tempo em que o homem tivesse tanto acesso à informação. Será que com tudo isso, o homem se tornou mais capaz do que os seus antepassados? Acredito que não. Como diz, o filósofo e teólogo Mário S. Cortella, “Muitas pessoas navegam na internet, mas a maioria delas naufraga”. Isso se dá pelo fato de que qualquer informação à deriva não produz conhecimento.

No século XVI, Francis Bacon, conhecido como o pai da ciência moderna, dizia que “conhecimento é poder, pois o conhecimento produz transformação e mudança”. As transformações que o conhecimento promove dá às pessoas a condição de viver o que nunca viveram.

A palavra conhecimento no latim tem um significado muito especial, cognotio ou cognoscere, refere-se também a nascimento. O conhecimento produz o nascimento de uma nova realidade. Por isso, uma geração sem conhecimento é uma geração sem poder de transformação e de inovação.

Essa questão reflete também no relacionamento das pessoas com Deus. Na pós-modernidade existe uma abertura para se trocar opiniões sobre o que as pessoas pensam sobre Deus, mas poucos desfrutam do conhecimento Dele. Então, o maior obstáculo para essa geração, é ultrapassar as distrações das opiniões.

Jesus Cristo disse aos seus discípulos “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” (Jo 8.32). O poder da verdade está no conhecimento dela. Saber sobre a verdade não liberta. A informação sobre Deus não transforma, mas destrói, pois gera expectativa sem esperança. Jesus Cristo demonstra isso na última ceia com os seus discípulos. Ao explicar para os discípulos o que significava a sua entrega sacrificial na cruz, Ele não apenas mostra o pão e o vinho, como Ele distribui, come e bebe com eles. Em outras palavras, conhecer a verdade significa experimentá-la, prová-la, degustá-la e digeri-la.

A revelação de Deus se dá de duas formas, por aquilo que Ele quis revelar e por aquilo que Ele quis omitir. Até mesmo os mistérios de Deus são uma revelação, porque Ele não escondeu de nós, mas para nós. Tem a ver com o exercício da busca constante por Ele. Deus deseja se revelar e o homem desejar conhecer.

Em 7 de janeiro de 1855, com 20 anos, Charles H. Spurgeon, ministro da capela da rua New Park disse em seu sermão matinal: “Nada é melhor para o desenvolvimento da mente que contemplar a divindade. Trata-se de um assunto tão vasto, que todos os nossos pensamentos se perdem em sua imensidão; tão profundo que nosso orgulho desaparece em sua infinitude”. A busca por conhecer mais de Deus gera em nós humilhação e expansão. Somos humilhados por sua grandeza e somos expandidos por Sua Glória refletida em nós.

O conhecimento de Deus transforma a alma e expande a mente humana. O apóstolo Paulo, nos revela isso em sua carta aos Romanos “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.

Exatamente isso! Os pensamentos desconectados de Deus padronizam, amoldam e limitam. Enquanto o conhecimento de Deus expande, transforma e renova. Paulo utiliza o termo “metamorfose” para se referir à transformação que a mente do homem passa quando esta se conecta a Deus. Esse termo é utilizado na biologia também para relatar a transformação da lagarta em borboleta.

Por meio de uma simples analogia entre o homem e a lagarta, podemos perceber o impacto que o conhecimento de Deus gera na humanidade. Antes de conhecer a Deus o homem é como uma lagarta, vive rastejando.

Quando o homem experimenta o poder do conhecimento de Deus, ele recebe asas, beleza e altitude como uma borboleta. É impossível conhecer qualquer coisa de Deus sem ser transformado por essa realidade. A cada revelação que recebemos de Deus, Ele nos convida para uma experiência, pois o conhecimento Dele é a soma da descoberta com a vivência.

Fonte: Artigo da Gospel Prime
Por: Andrei ALves

ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Revistas Ilustradas de Estudos Bíblicos do Papo com DeusRevistas Ilustradas de Estudos Bíblicos do Papo com DeusRevistas Ilustradas de Estudos Bíblicos do Papo com DeusRevistas Ilustradas de Estudos Bíblicos do Papo com Deus

Artigos populares

Calendário Hebraíco

O Rei Leão – Review

A Grande Tribulação

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
plugins premium WordPress

Receba os estudos no seu celular

Entrar no Grupo para receber